Fora Temer, Dornelles e todos os corruptos. Dilma nunca mais. Que se vão com Paes!

05ago2016olimpiadasOs patrões tentaram e não conseguiram enrolar a classe trabalhadora. Seus governos (Dilma Rousseff, Michel Temer, Francisco Dornelles e Eduardo Paes) ao mesmo tempo em que montaram um circo chamado de Jogos Olímpicos a peso de ouro, tentaram atacar a estabilidade dos servidores públicos, acabar com as poucas e deficientes leis trabalhistas e realizar mais uma contrarreforma na previdência. Diante do aumento do desemprego e da carestia o tal espírito olímpico foi substituído pela disposição de lutar. O Congresso Nacional teve que adiar as votações dos projetos de leis, que atacam os direitos dos trabalhadores, pressionado pelas mobilizações.

Paralelo às frustações de Temer na Câmara dos Deputados a casa caiu para Dornelles e Paes. A turnê da tocha olímpica pelo Brasil teve um desfecho só possível com a intensificação das lutas e mobilizações sociais. Desde o momento em que a tocha se apresentou nas cidades do país se iniciou, como em uma avalanche, manifestações cada vez maiores contra o desperdício de dinheiro público e contra a política de desigualdade social.

Se na passagem da tocha por São José dos Campos, em São Paulo, a repressão conseguiu prender um dirigente metalúrgico que estava na manifestação, em Angra dos Reis, já no Estado do Rio de Janeiro, os trabalhadores e o povo deram uma resposta à altura. A tocha foi devidamente apagada e a comitiva foi expulsa. Teve que se retirar da cidade pela porta dos fundos.

Clique aqui e veja o panfleto distribuído pela central

Clique aqui e veja o panfleto distribuído pela central

Mas a resposta dos operários e a juventude de Angra dos Reis foi só o marco de uma nova fase de uma turnê de manifestações. Houve manifestações em todas as cidades do Sul e Norte Fluminense. Na cidade operária de São Gonçalo a temperatura subiu e a repressão lançou mão de bombas e balas para tentar dispersar a manifestação. Pior a emenda que o soneto. A tocha teve que se abrigar no antro de corrupção conhecido pelos gonçalenses como prefeitura.

Em Duque de Caxias a repressão conseguiu ferir uma professora manifestante, porém o fato serviu para aumentar a disposição de luta. Em todas as cidades da baixada fluminense as manifestações se intensificaram e conquistaram mais adesão entre o povo e a juventude.

Para o desespero de Dornelles e Paes as manifestações contagiaram também os membros escolhidos a dedo da comitiva de revezamento da tocha. Particularmente, para o prefeito do Rio que se sentiu traído pelo amigo da onça, pois os fatos que se seguiram após Paes conduzir a tocha mostraram ao mundo as duas faces dos jogos: a farsa e a realidade.

03ago2016tarcisoMusicoAinda a caminho da maior cidade da baixada fluminense o músico Tarcísio Gomes, de 31 anos, o Tarcísio Cisão, como é conhecido na Lapa e arredores, antes de passar a chama olímpica para o condutor seguinte, abaixou a bermuda e exibiu as palavras “Fora Temer” nas nádegas, vestido com um biquíni de oncinha. Agentes da Força Nacional de Segurança, que acompanhavam o revezamento, retiraram-no do percurso e o detiveram.

O músico foi convidado para participar do evento pela prefeitura do Rio. Tarcísio Cisão é saxofonista e um dos fundadores do Bloco Amigos da Onça, que desfila pelas ruas do Rio durante o Carnaval.

Cabe aqui um parêntesis: A personagem “amigo da onça” tem sua história. Trata-se de um personagem criado por Péricles de Andrade Maranhão (14 de agosto de 1924 – 31 de dezembro de 1961) e publicado em uma charge pela primeira vez na revista “O Cruzeiro”, em 23 de outubro de 1943.

Satírico, irônico e crítico, o Amigo da Onça aparece em diversas ocasiões desmascarando seus interlocutores ou colocando-os nas mais embaraçosas situações.

A chama olímpica provocou manifestações dos operários, de trabalhadores, da juventude e do povo indignado com o desemprego e o descaso com a saúde e educação, enquanto as empreiteiras e multinacionais só lucram cada vez mais.

As balas de borracha foram ao encontro dos manifestantes, mas não conseguiram dispersar as manifestações ou reduzir a disposição de luta. Alguns manifestantes foram agredidos, outros feridos ou detidos e conduzidos à delegacia. Finalmente, um deles, uma menina de 10 anos, Ana Carolina da Silva Pimenta, seguiu de ambulância do SAMU para o hospital Moacyr do Carmo, depois de ter sido atingida na coxa direita por uma das balas que deveria proteger a vida dos seres humanos que participam de alguma forma deste megaevento.

Para a abertura oficial dos Jogos Olímpicos nesta sexta feira, 05 de agosto, a CSP-Conlutas, várias entidades e movimentos sociais farão uma grande manifestação. O principal objetivo é dar mais um passo rumo à construção da greve geral. Esta manifestação mostrará ao Brasil e ao mundo que os trabalhadores e o povo não aguentam mais governantes como Temer, Dilma Rousseff, Dornelles ou Paes. Esta manifestação mostrará que está na hora de unir todos os operários, todos os trabalhadores e a juventude. É hora de construir uma greve geral para derrotar a reforma trabalhista, da previdência e pôr um fim no processo de privatização da saúde e educação.

Olimpíadas sem emprego, não vamos dar sossego!

Contra a calamidade econômica e social,

FORA TEMER, PEZÃO, DORNELLES E PAES!