Saúde estadual ocupa o gabinete do secretário

Os Servidores da Saúde estadual do Rio de Janeiro realizaram um Ato na manhã de hoje em frente à Secretaria Estadual de Saúde, na Rua México,  128 no Centro. Em seguida ocuparam o gabinete do secretário de saúde.

A ocupação ocorreu diante do fato de que os salários dos servidores da ativa estão com atraso de três meses e há um atraso de quatro meses nos salários dos aposentados. Além da exigência do pagamento do 13° salário ainda de 2016.

O Comando da Base de Luta e Greve da Saúde Estadual que convocou o Ato com o apoio da CSP Conlutas, da Oposição e Direção do Sindsprev/RJ se mantém na vigília com os servidores ate serem recebidos.

Os servidores estão no limite. Estão sem alimentos, com contas de gás, luz, água e telefone atrasadas. Outros que ainda dependem de aluguel já se encontram com ordem de despejo. Os que fazem uso de remédios têm sua saúde mais afetada por não poder comprar seus medicamentos. Há companheiros que estão enfrentando longas caminhadas para chegar as suas unidades de trabalho. Este esforço extra já ocasionou outros problemas: alguns já tiveram que ser internados com sintomas de infarto após estas exaustivas e longas caminhadas. Também já há notícias de servidores que tentaram o suicídio na busca desesperada de uma saída.

Hoje os servidores apontam a única saída aceitável. Seguir na luta e na resistência mantendo a greve. A justiça exige um contingenciamento com um percentual (75%) de servidores trabalhando nas unidades, mas a duras penas sem salário e sem vale transporte este percentual tem sido respeitado.

A solidariedade de classe também tem sido uma marca desta luta, os próprios trabalhadores, pela base, tomaram a iniciativa de iniciar uma ação solidária. Estão arrecadando alimentos para acudir os mais necessitados.

O Comando de Base, com o Apoio da CSP-Conlutas buscará o apoio das Associações de funcionários para organizar uma grande campanha de solidariedade aos servidores da saúde estadual do Rio de Janeiro. Entendendo que isto não soluciona a falta de pagamento desses trabalhadores, mas alivia seu imediato sofrimento.

Sérgio Cabral, Luiz Fernando Pezão, Francisco Dornelles e Jorge Picciani são os responsáveis pelo profundo processo de sucateamento da saúde pública estadual. Com o desvio de verbas e a terceirização mercantilizaram um direito básico dos trabalhadores e do povo fluminense.

Exigimos o imediato pagamento de todos os salários atrasados, inclusive o décimo terceiro de todos os ativos e aposentados. Exigimos a abertura das contas públicas com uma auditoria promovida pelas entidades representativas dos servidores e usuários da saúde pública. Exigimos prisão e confisco de bens contra os corruptos e corruptores. Seguiremos na luta por um serviço de saúde pública e de qualidade para todos os trabalhadores e o povo fluminense.