Nota da Ocupação #Ocupa SUS

24jun2016atoSUSNós, trabalhadores, estudantes e usuários do Sistema Único de Saúde (SUS), representantes de diversas frentes e entidades políticas de saúde, estamos ocupando o Ministério da Saúde no Rio de Janeiro (NERJ) desde o dia 08 de junho de 2016. Ocupamos como forma de resistência a este governo ilegítimo representa uma ameça ao direito à saúde publica universal e de qualidade garantidos constitucionalmente, aprofundando os processos de privatizações e precarizações já em curso.
Até o momento a ocupação vem se dando de forma pacífica, buscando dialogar com os servidores federais, estaduais, funcionários terceirizados e usuários do SUS em espaços horizontais e autogeridos.

PORTAS FECHADAS PARA NEGOCIAÇÕES

Desde seu inicio, a ocupação tem se deparado com uma baixíssima abertura ao diálogo junto por parte administração do prédio e da direção do NERJ. Se esquivando de suas responsabilidades, tem deixando este papel para a equipe de vigilância patrimonial, que é terceirizada e não tem nenhuma autonomia de negociação. Isso expõe de maneira perversa e desnecessária estes trabalhadores e os próprios ocupantes.
Essa situação se agravou no último final de semana, quando as condições da ocupação se deterioraram em função de uma mudança de orientação da administração do prédio. Como se não bastasse, hoje fomos por um lado duramente interpelados pela segurança e por outros tivemos uma reunião com administração do prédio negada.

SOBRE AS CONDIÇÕES DA OCUPAÇÃO

Considerando que a ocupação encontra-se em expansão e buscando garantir sua sustentabilidade, segurança e o mínimo de dignidade para os ocupantes, tornamos público as condições em que se encontram atualmente os ocupantes do NERJ:

1. Restrição de acesso ao prédio, principalmente fora do horário de expediente;
2. Restrição de circulação dos ocupantes nas dependências do prédio. Durante o final de semana ficamos restritos ao uso de elevador somente acompanhados da equipe de vigilância.
3. Perda de livre trânsito pelas escadas até o nível térreo, impedindo o uso de rota de fuga de emergência.
4. Os ocupantes não têm nenhuma gerência sobre a iluminação e climatização nos espaços ocupados;
5. Acesso a apenas um banheiro para banho e uma copa que se encontra distante (no térreo) do andar ocupado;
6. A ocupação tem necessidade de mais espaço e estrutura para comportar todo o fluxo de atividades e mobilizações que a constituem

Reiteramos que até o presente momento a administração do prédio e a direção do NERJ mostram-se insensíveis com relação as pautas acima listadas, esgotando-se os canais de comunicação. Reafirmamos que o nosso objetivo é expandir, ocupar e resistir, fazendo isto prioritariamente a partir de diálogos regulares com a administração direta do prédio, que tem responsabilidade com o bem público e com as políticas públicas a que se presta.

POR ISSO, SOLICITAMOS:

1. AMPLA DIVULGAÇÃO DESSA NOTA
2.COMPARECIMENTO EM PESO A PLENÁRIA DE AMANH (21/06)
3. MOBILIZAÇÃO PARA O ATO PÙBLICO (DIA 24/06)

NENHUM PASSO ATRÁS, NENHUM DIREITO A MENOS! OCUPAR E RESISTIR!