Quilombo Raça e Classe organiza no Rio a 4ª Marcha da Periferia

20nov2015IVmarchaPeriferiaA Marcha que vem sendo nacionalizada pelo Quilombo a quatro anos, em vários estados, conta com o apoio da CSP CONLUTAS. Leia aqui e se informe sobre esta atividade em outros estados.

No Rio, este ano, priorizarmos realiza-la em MADUREIRA, para nos contrapor à ordem social que os governos do PMDB (Pezao e Paes) tentam implementar. Uma divisão social que tenta, com a utilização de força policial, segregar discriminando a maioria da população do Rio, composta por negras e negros pobres. Tudo para agradar uma minoria branca e rica. Não basta segregar para garantir o lucro dos negócios propiciados pela realização das Olimpíadas. Também há um esforço dos patrões e dos governos para um artificial branqueamento nas áreas consideradas nobre na cidade.

Estas políticas que vem sendo implementadas pelos governos nas últimas décadas deixa evidente, a cada dia, para quem governam e constroem a cidade.

4marcha20nov2015Os governos do PMDB por ocasião da Copa iniciaram um processo de remoções que desconsiderou totalmente os necessidades e direitos dos moradores e comunidades. O mesmo se repetiu com a população indígena, como foi o caso da Aldeia Maracanã, que segue em situação ainda indefinida.

Hoje com a aproximação da realização das Olimpíadas se aprofundam ações da Prefeitura e do Governo do Estado contra a população da periferia e favelas. Estas ações alimenta a segregação, tentam separar, dividir pobres e ricos, negros e brancos, zona norte e zona sul! É necessário denunciar e combater este tipo de prática.

Com mais da metade da segunda década do século XXI mulheres, homens e jovens negros são obrigados a conviver com as atrocidades impostas pelas ideologias racistas, machistas e homofóbicas. O capitalismo se utiliza destas ideologias para melhor oprimir, explorar e dividir a classe trabalhadora!

Só os trabalhadores negros organizados quanto raça e classe reúnem as condições políticas e organizativa para construir novos Quilombos de Resistência. Esta luta contra a exploração e opressão pode construir uma outra sociedade. Uma sociedade socialista, democrática, justa e igualitária.