Todas e todos às ruas neste 07 de setembro

O grave incêndio que ocorreu no Museu Nacional de História Natural, localizado na Quinta da Boa Vista, não só expõe os malefícios de uma política que privilegia o lucro e a manutenção de uma profunda desigualdade social, mas também os malefícios de uma política que compromete a soberania do país.

A educação, a ciência e a memória são ferramentas utilizadas pela humanidade para construção e desenvolvimento do conhecimento e da tecnologia. Esse é o principal motivo dos investimentos na educação e na pesquisa. Existe um equilíbrio grande entre as vantagens e as desvantagens que o avanço da ciência e da tecnologia traz para a sociedade. A principal vantagem é refletida na produção de soluções para o ajuste e mudanças na natureza às necessidades humanas.

A história humana mostra que o desenvolvimento e construção do conhecimento, da ciência, da pesquisa e da tecnologia consolidam a soberania de um povo, independentemente do modo de produção e distribuição das riquezas. Só o capitalismo defende uma internacionalização arbitrária do trabalho que atropela as realidades regionais e as culturas dos diversos povos.

O incêndio do Museus Nacional ou a privatização da educação tentam impor uma realidade em que o Brasil se consolida na “economia globalizada” como fornecedor de matérias primas aprofundando um brutal processo de colonização.

Mais que nunca nesse 07 de setembro deve ser redobrada a denúncia da política dos governos do PSDB, do PT, do MDB e dos demais partidos da classe dominante na facilitação da rapinagem que sofre o país nos últimos 500 anos. Uma rapinagem promovida pelos grandes oligopólios internacionais dos quais a burguesia brasileira é sócia menor.

A CSP-Conlutas se soma as demais entidades que convocam um Ato, neste dia 07 de setembro, para denunciar o descaso dos governos e a falta de recursos para a educação, ciência e tecnologia no país. E este é o caminho. É preciso ir à luta contra a política de ajuste fiscal, que tira dinheiro de áreas sociais para desviar para o pagamento da Dívida Pública para salvar e enriquecer banqueiros e especuladores nacionais e internacionais.

Pela revogação da Emenda Constitucional (EC) 95, que congelou os investimentos públicos por 20 anos. Por mais verbas para educação e pesquisa. Pela revogação da reforma trabalhista, da lei de terceirização e das reformas da previdência efetuadas pelos governos do PSDB, do PT e do MDB.

Fora Temer! Fora Pezão! Fora todos os corruptos!

Leia mais: Economista da Auditoria Cidadã revela como Dívida Pública mantém o Brasil um país dependente

Anúncios